agosto/2014 Pressão dos pneus: uma aliada da segurança

Você sabia que, além de pesar no bolso, o uso de uma pressão inadequada nos pneus de caminhões e ônibus pode ser um grande perigo para a segurança nas ruas e estradas? Por outro lado, a pressão correta reduz consideravelmente o custo do frotista e contribui com o meio ambiente, favorecendo o desempenho do veículo e, principalmente, colaborando com a segurança de todos.
Uma pressão incorreta tem um impacto negativo em algumas performances fundamentais do pneu, tais como:

• Rendimento quilométrico,
• Resistência da carcaça,
• Estabilidade e comportamento do veículo,
• Aderência do veículo.

Além disso, “um pneu com baixa pressão aumenta a resistência à rodagem, provocando, por consequência, um aumento do consumo de combustível”, explica Marcelo Silva, gerente de Marketing Produto de pneus de ônibus e caminhão da Michelin para o Brasil.
Acompanhamentos realizados pela Michelin indicam que, mesmo permitindo transportar a carga e os passageiros de forma mais durável, confortável, econômica e segura, a pressão correta é, muitas vezes, um dos pontos menos monitorados pelos usuários. Para mudar este cenário, a Michelin recomenda:

• Sempre utilizar as pressões conforme recomendado pelo fabricante do veículo.
• Verificar e ajustar as pressões, sempre com o pneu frio, com o veículo parado por, no mínimo, 2 horas e pelo menos 2 vezes ao mês.
• Utilizar um manômetro preciso e previamente aferido.
• Nunca diminuir a pressão de calibragem quando o pneu está quente.
• Nunca calibrar um pneu, de caminhão e ônibus, com mais de 10 bars.
• Sempre efetuar uma análise criteriosa de um pneu que rodou com baixa pressão.

Dicas de segurança MICHELIN

• Inspeções visuais regulares podem impedir o surgimento de danos provocados pelo uso incorreto das pressões.
• Pneus com pressão abaixo da recomendada promovem um aumento do consumo de combustível e se desgastam rapidamente.
• Pneus com pressão acima da recomendada reduzem a aderência e facilitam o surgimento de danos por impacto.

Atenção:

• Redução da vida útil do pneu: a pressão insuficiente aumenta a flexibilidade do pneu, acelerando a fadiga da carcaça e por consequência reduzindo a vida útil do mesmo.
• Aumento do consumo de combustível: a pressão insuficiente aumenta significativamente a resistência à rodagem do pneu, provocando um aumento do consumo de combustível.

A missão da Michelin, empresa líder na indústria de pneus, é contribuir para a melhoria da mobilidade das pessoas e das mercadorias de forma sustentável. Para isso, o Grupo Michelin fabrica e comercializa pneus para todos os tipos de veículos, de aviões a automóveis, passando pelos pneus para motocicletas e bicicletas, pneus para os equipamentos de mineração, de terraplanagem e de uso agrícola, assim como pneus para ônibus e caminhões. Michelin propõe também serviços informatizados de ajuda à mobilidade (ViaMichelin.com) e edita guias de turismo, de hotelaria e de gastronomia, assim como mapas e atlas rodoviários. O Grupo Michelin, cuja sede se localiza na cidade de Clermont-Ferrand, França, está presente em mais de 170 países, emprega 111.200 pessoas e tem 67 unidades de produção em 17 países diferentes. (www.michelin.com.br). O Grupo possui um Centro de Tecnologia encarregado pela pesquisa e pelo desenvolvimento com operações na Europa, na América do Norte e na Ásia.
 

CONTATOS PARA A IMPRENSA
Renata Guedes – (55 21) 3621-4393 – renata.guedes@br.michelin.com
Glauce Ferman – (55 21) 3621-4870 – glauce.ferman@br.michelin.com

 Voltar
 

Copyright © 2017 MICHELIN todos os direitos reservados